Quatro emissoras de rádio do ES terão novo prazo para migração da frequência AM para FM

As emissoras de rádio AM vão ganhar um novo prazo para pedir ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a migração para a faixa de FM. O decreto que permitirá às emissoras fazer a solicitação será encaminhado nos próximos dias à Presidência da República, anunciou o ministro Gilberto Kassab nesta quarta-feira (6) durante o último mutirão do ano em que 50 emissoras de rádio assinaram o termo aditivo para migrar do AM para o FM.

Na cerimônia, o ministro destacou o sucesso do processo de migração, que chega ao fim deste ano com 620 estações de rádios de todo o país prontas para operar na faixa de FM. “A questão das rádios e das migrações estará totalmente solucionada ao longo de 2018”, garantiu Kassab.

O governador Paulo Hartung participou da cerimônia junto com o presidente da Rede SIM / Record News ES, Rui Baromeu. A solenidade reuniu aproximadamente 50 emissoras de todo o país, sendo quatro do Espírito Santo. Seus representantes assinaram termo aditivo de adaptação de outorga, uma das últimas etapas do processo de migração.

As rádios Fundação Santa Terezinha, Cachoeiro do Itapemirim LTDA, SM Comunicações e Rádio Educadora de Afonso Cláudio assinaram o termo.

Das 1.781 rádios AM do Brasil, 1.332 solicitaram a mudança de faixa. Com o decreto, será aberta uma nova chance para as demais emissoras pedirem para fazer a migração.

Foto:Divulgação
Foto:Divulgação

O ministro explicou que a implantação da TV digital traz outros resultados importantes, como a expansão da tecnologia 4G e a liberação da faixa estendida. Com o desligamento do sinal analógico, os canais 5 e 6, que hoje são ocupados por canais de TV analógicos, serão desocupados e destinados à FM.

Com isso, as FMs poderão ser sintonizadas na faixa de 76 MHz a 107.9 MHz. Kassab lembrou ainda que, a partir de janeiro de 2019, conforme prevê portaria do MCTIC, a indústria será obrigada a fabricar equipamentos compatíveis com a faixa estendida.

Com informações da Secom