Justiça nega pedido de habeas corpus feito pela defesa de Hilário Frasson

A Justiça Estadual negou o pedido de habeas corpus para soltar o policial civil Hilário Frasson, acusado de ser o mandante do assassinato da ex-esposa, a médica Milena Gottardi.

Na semana passada, a defesa de Hilário solicitou à justiça que ele volte a cumprir prisão preventiva na Delegacia de Novo México, em Vila Velha, onde ficam os policiais civis.

O desembargador Júlio Cesar Costa de Oliveira, que iria analisar o pedido, alegou suspeição e se considerou impedido de julgar o caso. Com isso, o pedido foi redistribuído pelo Tribunal de Justiça.

Em sua decisão, o desembargador Adalto Dias Tristão, que julgou o pedido disse que o processo originário é um delito de grande repercussão, em que foi tirada a vida de uma jovem médica. “Portanto, não é demais concluir que se trata de crime grave, e que pelo menos em uma primeira análise existem elementos que indicam que possa ter sido praticado no contexto da violência de gênero (feminicídio)”, relatou.

Hilário foi transferido para o Complexo Penitenciário de Viana no dia 8 de novembro, por decisão do juiz Marcos Pereira Sanches, da 1ª Vara Criminal de Vitória. Ele foi transferido para o local, após ter sido liberado para ir ao dentista, no dia 30 de outubro, quando estava na custódia, em Novo México.

Com informações do Tribunal de Justiça do ES