Espírito Santo firma-se como destino para turismo de observação de pássaros

No Brasil há cerca de 1.900 espécies de pássaros catalogadas. Uma em cada seis espécies de aves que existem no mundo vive no território brasileiro. Destas, entre 650 e 700 habitam o Espírito Santo. Um detalhe: pelo menos uma espécie, no mundo todo, só existe aqui no Estado, e tem um nome sugestivo para o seu socorro: saíra-apunhalada. O Espírito Santo também se destaca por possuir o maior número de ocorrência de beija-flores (colibris) por área, com 42 espécies e subespécies em um espaço de 45 mil metros quadrados. Todas essas joias da natureza estão contribuindo para que Estado do Espírito Santo se firme como um destino preferido de observadores de pássaros, ou praticantes de birdwatching do Brasil e do mundo.
Movidos por uma paixão em comum pelos pássaros, os observadores têm interesses diferentes, que se mesclam: o hobby, o passatempo, a contemplação, o conhecimento científico, o ativismo de preservação, o desafio de registrar uma ave rara “lifers” para a ampliação de sua coleção de imagens ou para a descrição pessoal de avistamentos. Em geral, são pessoas que se importam com as aves e cujas ações podem colaborar com o conhecimento e a preservação das espécies.
Com binóculos, roupas camufladas, máquinas fotográficas, gravadores de áudios, cadernos e canetas, os observadores de pássaros já podem ser vistos com certa frequência no território capixaba. Geralmente aos ‘bandos’, procuram refúgios da vida silvestres como reservas naturais, parques estaduais ou nacional, florestas nacionais e particulares, mangues, capoeiras, serras e pomares e até áreas urbanas para observar.
Pacientes, de olhos e ouvidos bem abertos, pisando de vagar e com o “bico calado”, passam horas em revista a cada movimento na copa das arvores, no céu, ou a cada piado entre os troncos, ramagens e folhagem secas no chão. Quando o bicho é avistado, muita calma nessa hora… pois qualquer movimento em falso pode pôr tudo a perder e a ave fugir para longe.

Destino
Graças à facilidade de comunicação e conexão das redes sociais, os adeptos do birdwashing compartilham o espaço para organizar passeios (passarinhar), para publicar suas imagens e comentar suas aventuras. Essa facilidade, ao mesmo tempo que contribui para o aumento do número dos praticantes, divulga as espécies e o próprio Espírito Santo. Hoje, o Estado se integra aos mais de 50 destinos de ecoturismo do país, consolidando-se como roteiro de birdwatching.
Segundo publicação do Ministério do Turismo, é grande o potencial de crescimento desta atividade de observação de aves, considerando que o Brasil é um dos países com maior biodiversidade do mundo. “É uma modalidade que se desenvolve rapidamente no mercado turístico nacional, impulsionada pelo crescente interesse no segmento de ecoturismo”. Essa potencialidade turística é bastante explorada no exterior. Por exemplo, segundo dados do Serviço Americano de Pesca e Vida Selvagem, nos Estados Unidos, só o birdwatching movimenta mais de US$ 40 bilhões por ano.
“A observação de aves dá ao observador a consciência da conservação das espécies. Além disso, melhora a interação cerebral e diminui a chance de doenças degenerativas. A observação ainda diminui o stress, traz o homem de volta à natureza e o incentiva a praticar atividade ao ar livre”, afirma o professor de Zoologia da Universidade Federal de Mato Grosso e observador de pássaros Dalci Maurício Miranda de Oliveira, em entrevista ao portal Olhar Direto.

CANTINHO DOS PÁSSAROS

O observador de pássaros gaúcho, Gilberto Sander Müller, participou de um birdwatching no Espírito Santo, com observações em Vitória, Serra, Aracruz, Santa Teresa e Afonso Cláudio e postou no destino.blog.br:
“Afonso Cláudio – A cidade tem vocação para observação de aves, incentivada pelo poder público. A quantidade de reservas e matas boas para observação fazem da cidade um polo de atração para observadores. Fica mos hospedados na Pousada Cantinho dos Três Pontões, na zona rural do município, com vista panorâmica para o monumento de mesmo nome. Seu proprietário, Itamar Tesch, foi incansável na passarinhada realizada no primeiro dia, proporcionando o registro de várias espécies, entre elas, o barbudo-rajado, a águia-chilena, o gavião-tesoura, araçari-de-bico-branco, fogo-apagou, pombão, pica-pau-de-banda-branca, tempera-viola, fim-fim, gaturamo, anhuma, bico-de-veludo. Também um esquilo serelepe foi filmado nesta saída”.

CLIENTE DE 18 PAÍSES

“Já recebemos em nossa pousada observadores de pássaros do Brasil inteiro e de mais 18 países” conta o empresário Itamar Tesch, dono da Pousada e Restaurante Cantinho dos 3 Pontões, em Afonso Cláudio.
No negócio desde 2007, Itamar disse que o forte de sua pousada é o atendimento ao público praticante de trilhas e caminhadas. Contudo, os observadores de pássaros têm sido um diferencial, especialmente na temporada entre agosto e janeiro, que é própria para a prática de observação.
Para garantir seu lugar como destino de birdwatching, Itamar preserva na propriedade, que fica próxima às montanhas dos Três Pontões, um total de 201 espécies de pássaros. Entre esses pássaros, conforme destacou, ocorrem exemplares cobiçados pelos observadores, como a águia chilena, o falcão relógio, o bacurau telha, a coruja murucututu de barriga vermelha, tucano, sanhaço fogo e o formigueiro-da-serra.
Falando do perfil deste turista, observou que, geralmente, são pessoas aposentadas que realmente investem neste hobby, comprando equipamentos, e estão sempre viajando. Ele observa que enquanto os brasileiros, em sua maioria, gostam de fotografar as aves, os observadores de outros países, em sua maioria, não fotografa, apenas anotam características dos pássaros.

passaro-site1

REGISTRO RARO

Gustavo Magnago trabalha como portuário, mas nas horas vagas pode ser encontrado andando pelas matas capixabas, fotografando aves ou guiando grupos de observadores de pássaros. Recentemente, o grupo de observadores que ele guiava fez um registro raríssimo: fotografou a saíra- apunhalada (Nemosia rourei) pássaro que, no mundo, só ocorre no sul do Espírito Santo.
“Passamos dois anos sem ver o saíra-apunhalado. Em junho eu estava guiando dois clientes e a encontramos. Só depois de nove viagens, eles conseguiram ver o bicho. Fotografaram, postaram as fotos e um dia depois já havia mais de 500 curtidas e 100 comentários”, conta Gustavo.
O pássaro, que corre risco de extinção, foi avistado na Mata dos Caetés, a norte do município de Vargem Alta. Agora, Gustavo que já participa de excursões de pesquisas científicas, fotografando aves, integrará uma equipe que desenvolverá estudo desse pássaro, buscando quantificar sua população.
Gustavo começou a atividade de observação de pássaros em 2006. Ele diz que desde sempre o Espírito Santo foi destino de observadores. Porém, o público local, de observadores não chegava a 10 pessoas. Mas dos últimos quatro anos para cá vem crescendo muito. Graças às redes sociais. “As pessoas estão divulgando as atividades no facebook, publicando as fotos, e isso desperta interesse”, considerou. Gustavo organizou no ano passado o evento Avistar-ES e disse que ficou surpreso com tantas inscrições e pessoas interessadas nas oficinas de fotografia de pássaros.

passaro-site3

passaro-site4

COMPARTILHAR